5 de jul de 2013

Dobradinha da Mercedes na Alemanha!

A Mercedes manteve a sua boa fase e iniciou o final de semana do GP da Alemanha, em Nurburgring, com uma dobradinha no primeiro treino livre para a prova. Lewis Hamilton foi o mais rápido da sessão, seguido pelo companheiro Nico Rosberg. Os dois foram os únicos que conseguiram andar na casa de 1min31s.

A terceira posição ficou com a Red Bull de Mark Webber, pouco mais de um segundo atrás do líder. 

Adrian Sutil, da Force India, e Kimi Raikkonen, da Lotus, completaram a lista dos cinco primeiros na sessão. Sebastian Vettel foi o oitavo.

O brasileiro Felipe Massa encerrou este primeiro treino em sexto. Mas a Ferrari teve um começo difícil de final de semana, com Fernando Alonso sofrendo problemas elétricos em seu carro logo na volta de instalação, nos primeiros segundos da sessão. A F138 do espanhol ainda foi levada de volta aos boxes e ele chegou a entrar na pista novamente, mas sem muito sucesso, retornou à garagem lentamente. Sem uma marca no placar e com apenas dois giros completados, o bicampeão teve então que abandonar.

Apesar da possibilidade de chuva – que não apareceu – e da adoção de novos pneus da Pirelli, introduzidos por causa dos problemas ocorridos na última etapa, em Silverstone, a sessão teve pouco movimento. Os primeiros tempos competitivos foram marcados após mais de meia hora do início do treino. Os pilotos andaram apenas com os compostos médios, fazendo avaliações e simulações de corrida. No final, Romain Grosjean foi quem acumulou a maior quilometragem, com 27 voltas.



Fonte: Tazio

8 de jun de 2013

Rosberg revela que perdeu última tentativa de volta rápida no Q3 por problemas no rádio do W04

Terminou neste sábado (8) a sequência dominante de Nico Rosberg, pole-position das últimas três corridas da temporada 2013 do Mundial de F1. O vencedor do GP de Mônaco obteve um quarto lugar no grid do GP do Canadá e vai largar imediatamente atrás de Lewis Hamilton, que dividirá a primeira fila com Sebastian Vettel. Apesar de ter conquistado um lugar entre os cinco primeiros, o sentimento por parte do alemão era de decepção. Nico perdeu sua última tentativa de volta rápida no Q3 por conta de um problema no rádio do seu carro justo no momento crucial da classificação.

“Nós fomos muito rápidos em condições difíceis lá fora nesta tarde, e estou um pouco decepcionado por não ter me classificado mais à frente no grid. Infelizmente, meu rádio parou de funcionar, e a comunicação com meus engenheiros é crucial em condições como as que tivemos nesta tarde”, comentou Rosberg.
 
“O maior problema foi não saber que eu tinha uma volta a mais e uma chance para melhorar meu tempo. Mas, no geral, posso ficar satisfeito por estar largando na segunda fila e espero por uma forte corrida amanhã”, acrescentou o piloto da Mercedes.

Na visão do alemão, a receita para o sucesso no domingo está no consumo dos compostos médios e supermacios, que foram disponibilizados pela Pirelli para este fim de semana. “Precisamos gerir bem os pneus, e então eu acredito que possamos conquistar um bom resultado”, concluiu.
 
Fonte: Grande Prêmio
 

7 de jun de 2013

Nico Rosberg Q&A: tyre test played no role in Monaco win

Nico Rosberg had a dream weekend in Monaco, topping every session before winning the classic street race 30 years after his father’s triumph in the Principality. Since then, however, his Mercedes team have been engulfed in the controversy surrounding their Pirelli tyre test just prior to the Monte Carlo round. Did the test play a role in Rosberg’s victory? Will it help Mercedes’ performance in Canada this weekend? An emphatic ‘no’ was the German driver’s answer in Montreal on Thursday, as he spoke exclusively to Formula1.com…

Q: Nico, victory in Monaco was effectively winning your home Grand Prix. How emotional was that, having grown up there and knowing every corner of the place?
Nico Rosberg:
What can I say other than it’s my home - I’ve lived there all my life, so of course it is special, even though that doesn’t mean that I know the track any better than others. For sure I have so many memories from my childhood at so many spots that make up the track…

Q: Can you tell us?
NR:
My school was right above the paddock. The window above our hospitality unit - that was my classroom so for many years I looked down to the paddock seeing all the drivers and cars. So winning there was awesome - and even more so as it is the race of the season to win.

Q: Can you talk us through your race?
NR:
The start was problematic as I had a pretty bad start - and Sebastian (Vettel) and Lewis (Hamilton) behind me had a very good start. So it was tight to begin with. The next thing was to make the one-stop strategy work. That worked out well. But indeed it was not an easy race, with all the red flags and safety cars which meant quite an effort to keep the tyres up to temperature. That was pretty tricky and also that the rhythm was interrupted all the time.

Q: When did you believe that you would shake the hand of HSH Price Albert as winner?
NR:
Ha, I didn’t think of Prince Albert’s hand at all! I was so focused on winning the race that anything that would happen after the chequered flag was secondary.

Q: But it must have been a fantastic moment to take the trophy from him…
NR:
…and even having dinner with him in the evening. For somebody who has grown up in Monaco that was really something very special.

Q: So if you could choose one race from the calendar that you would desperately like to win…
NR:
…it would be Monaco, no doubt. My father said there are two things to achieve in motorsport: winning Monaco and being world champion. So I can tick one off the list!

Q: How crucial was starting from pole position. Is the saying that Monaco is won on the Saturday really true?
NR:
It is very true. If you start from pole you are halfway on the podium. So it is more than crucial - you could say it’s vital.

Q: How did you treat yourself after the win?
NR:
Partying until breakfast with family and friends.

Q: There was outcry when news broke that Mercedes did a Pirelli tyre test in between Spain and Monaco with this year’s car…
NR:
Was there? Really?

Q: How did you go about that? Was there ever the feeling you were participating in something that wasn’t right?
NR:
Oh no, not one single moment. I never expected that there would be discussions afterwards.

Q: Did those 1000-odd test kilometres contribute to the Monaco win?
NR:
Definitely not. Pirelli was testing tyres - that has nothing with our race performance in Monaco.

Q: You were with Mercedes long before the recent, significant influx of new staff. Can you tell us what is different?
NR:
Well, there have been continuous changes since I joined the team - it is what happens if you build up a team. Sure, Toto (Wolff) and Niki (Lauda) joining is quite a change, but that is what happens if you restructure.

Q: The team was significantly British and now there are two Austrians at the top. Is there a change in mentality?
NR:
Success is what changes one’s mentality - and in this respect we have been really blessed so far with many pole positions, the win and the podiums. This has nothing to do with any nationality but with hard work and determination and the will to be successful together.

Q: How about the new guy who sits in the car next to you in the garage? Is that a big change?
NR:
Yes, that’s a big, big change. It’s totally different, even though I knew Lewis [Hamilton] pretty well from our times together in go-karts. Michael [Schumacher] and Lewis - this is a completely different pair of shoes in their way of going about things, even if both are addicted to shoes! That is the only real similarity between the two. (laughs)

Q: Can you explain what Toto means when he says that you go about things in a Teutonic - meaning very planned-out - way? Are the pens on your desk all neatly arranged in parallel?
NR:
I have a very methodical approach to things and situations. I like to think things over. To use everything there is to my advantage - very rationally planning things down to the smallest detail whenever possible.

Q: Monaco is a slow circuit where preserving tyres is obviously easier - so what about Montreal?
NR:
Well, we still do have a tyre problem - that’s our main thing that is holding us back, and that will again be an issue this weekend. It’s a different downforce level here. That might mix things up a bit and shuffle the pecking order. Overtaking is also possible, so you have to be genuinely fast to succeed.

Q: Will you be able to stay within range of the Monaco result? Has the car improved enough to pull it off again?
NR:
We have improved a lot on pace. We’ve been the quickest car for quite some time now - so that is hugely positive - but you also have to understand the tyres again and in this respect maybe some are ahead of us.

Q: So give us a number…
NR:
Well, the last comparable race to Montreal was Barcelona, as Monaco is a completely different matter…

Q: …so the Barcelona test with Pirelli could have a positive effect?
NR:
No definitely not. In terms of result, of course we want to be at the front again - that is the nature of racing - but to make any prediction in terms of positions would be unrealistic. We have to deal with the conditions, not just with our opponents - and the conditions could be really tough. One thing is for sure, after the taste of the Monaco win you want more of that same flavour. 

Fonte: Formula1.com

23 de mai de 2013

Rosberg domina e comanda dobradinha da Mercedes no segundo treino livre do GP de Mônaco

As Flechas de Prata brilharam nesta quinta-feira (23) em Monte Carlo. Depois de liderar a primeira sessão de treinos livres do GP de Mônaco, pela manhã, Nico Rosberg foi ainda melhor durante a tarde e, com os pneus supermacios, foi supremo e não deu chances a ninguém. O alemão cravou o melhor tempo do dia ao alcançar 1min14s759 em sua melhor passagem, sendo o único a andar abaixo de 1min15s. E para completar o dia extremamente positivo da Mercedes, a escuderia de Brackley fechou a dobradinha com Lewis Hamilton na segunda colocação, mas 0s318 atrás do companheiro de equipe. Definitivamente, foi uma volta monstruosa por parte de Nico.

Desta vez, a diferença da Mercedes para a Ferrari foi bem maior. Fernando Alonso foi o terceiro colocado da sessão, mas ficou 0s437 atrás do tempo de Rosberg. Felipe Massa conseguiu andar bem próximo do ritmo do seu companheiro de equipe e se colocou em quarto. A julgar pelo desempenho nos dois treinos desta quinta-feira, Mercedes e Ferrari estão bem à frente dos rivais para a sequência do fim de semana.

A Red Bull seguiu discretíssima em Monte Carlo. Mark Webber foi o melhor taurino, mas garantiu somente o quinto tempo, 0s645 atrás de Rosberg. Na sequência, dois pilotos da Lotus: Kimi Räikkönen foi o sétimo, enquanto Romain Grosjean, mesmo tendo batido na primeira hora do treino e com apenas dez voltas durante a tarde, conseguiu uma importante sétima colocação. Jenson Button foi o piloto melhor posicionado da McLaren, em oitavo. Sebastian Vettel decepcionou de novo e concluiu em nono, à frente do seu antigo rival de F3 Europeia, Paul di Resta.

Desta vez, Pastor Maldonado não repetiu a performance da manhã. Sexto colocado no primeiro treino livre, o venezuelano da Williams terminou na 14ª colocação da tomada de tempos da tarde após 36 voltas completadas.
 
Saiba como foi o segundo treino livre do GP de Mônaco da F1
 
A segunda sessão de treinos livres do GP de Mônaco começou bem mais agitada e com praticamente todos os pilotos na pista. Todos, menos um: Sebastian Vettel foi o único que permaneceu nos boxes enquanto via seus oponentes deixarem os boxes logo no início da tomada de tempos.

E com a pista mais emborrachada por conta dos treinos da GP2 e da própria F1 pela manhã, os tempos obtidos foram bem mais rápidos logo de cara. Depois de vários pilotos melhorarem suas marcas em relação à primeira sessão, Alonso, ainda num stint com pneus macios, nem deu bola para o tráfego intenso de Monte Carlo e logo cravou 1min15s519, então o melhor tempo do dia.

Não só Alonso, mas outros cinco pilotos melhoraram a marca de Nico Rosberg pela manhã e andaram abaixo de 1min16s. Além de Alonso, Grosjean, o próprio Rosberg, Hamilton e Webber foram mais rápidos em relação à sessão matutina. Era um princípio de treino bastante animador, bem diferente do que aconteceu mais cedo.

Homenageando François Cèvert, Jean-Éric Vergne foi o primeiro piloto a deixar os boxes usando pneus supermacios. Kimi Räikkönen também foi à pista com os pneus ‘vermelhos’, assim como Jules Bianchi e Max Chilton.

Vettel finalmente deixou os boxes com cerca de 20 minutos de treino. Com pneus duros, o tricampeão do mundo deu início ao seu primeiro stint no treino da tarde, mas não impressionou. Muito pelo contrário. Seb foi mais lento até mesmo em comparação com Mark Webber e figurava na sétima colocação. Lá na frente, Räikkönen assumia a primeira colocação ao estabelecer 1min15s511. Entretanto, o tempo do piloto da Lotus foi apenas 0s008 mais rápido que a marca de Alonso, esta feita com pneus macios.

Em seguida, foi a vez de Rosberg ir para a pista com pneus supermacios. E o alemão comprovou o quanto o W04 é rápido. Nico tinha 1min15s843 com os macios, mas melhorou em mais de um segundo com os compostos vermelhos e passou na reta dos boxes com o tempo de 1min14s759, 0s752 mais rápido que o tempo de Räikkönen, segundo colocado.

Foi a senha para todo mundo trocar os macios pelos supermacios e acelerar forte na sequência da tarde em Monte Carlo. Entre eles, Romain Grosjean. Após abrir uma volta rápida, o franco-suíço entrou na Sainte-Dévote com certo desequilíbrio e acabou perdendo o controle do belo E21 na saída da curva. Mônaco não perdoa erros, e o piloto destruiu o lado esquerdo do carro aurinegro ao bater na barreira de pneus, praticamente encerrando ali sua participação pela manhã.

A direção de prova interrompeu a execução do treino com bandeira vermelha. Não pelos detritos na pista deixados pelo acidente de Grosjean, mas sim por conta de problemas em uma zebra solta na curva da Tabacaria, a 13. Mas o treino ficou parado apenas por quatro minutos, já que os fiscais de pista lograram êxito em realizar o reparo na zebra. 

Pista liberada, carros de volta para a metade final da sessão. A maioria deixou os boxes com pneus supermacios. O alvo da vez era a monstruosa marca de Rosberg. Hamilton, por exemplo, era o segundo colocado, mas testava seu W04 em ritmo de corrida, não representava uma ameaça ao seu tempo. Alonso, Webber e Räikkönen, terceiro, quarto e quinto, respectivamente, também estavam distantes do tempo do alemão, o que só prova o quanto a Mercedes vem forte para este fim de semana no Principado.

Vettel vinha em nono, mas o tricampeão estava com problemas em seu Kers, o que faz falta mesmo em uma pista como Monte Carlo. Massa melhorou sua marca e subiu para uma boa quarta colocação, ficando à frente de Webber e Räikkönen. Com 1min15s278, Feilpe só estava atrás da dupla da Mercedes e do seu companheiro de equipe, Alonso.

Com dois terços do treino já concluídos, as equipes decidiram intensificar a avaliação do ritmo de corrida dos carros, a maioria dos pilotos trabalhando com os pneus supermacios. Bem diferente da Mercedes, a McLaren vinha sofrendo problemas com seu carro. Tanto que Sergio Pérez seguia nos boxes para sua equipe realizar os reparos na asa traseira. Com 23 minutos restando para o fim da sessão, o mexicano foi à pista.

Praticamente todos os pilotos deixaram os boxes nos minutos finais, ocasionando o tráfego intenso, que é uma das marcas registradas de Mônaco. Por conta das configurações utilizadas na fase derradeira da sessão, ninguém conseguiu melhorar suas respectivas marcas, consolidando uma dobradinha da Mercedes, com Rosberg dominante e à frente de Hamilton. Definitivamente, pintou a favorita à pole-position no sábado. Para domingo, no entanto, a história pode ser bem diferente, já que a Ferrari também aparece forte e muito consistente.

F1, GP de Mônaco, Monte Carlo, treino livre 2:
 

 
Fonte: Grande Prêmio
 

Rosberg reitera força da Mercedes e lidera primeiro treino livre do GP de Mônaco. Massa é quarto

A primeira sessão de treinos livres do GP de Mônaco de F1, sexta etapa da temporada 2013, teve tons prateados. Nico Rosberg reiterou a força e a velocidade do Mercedes W04 e liderou a primeira tomada de tempos do fim de semana, na manhã desta quinta-feira (23), nas ruas de Monte Carlo. Com o tempo de 1min16s195, o alemão ficou 0s087 à frente de Fernando Alonso, vencedor da última etapa do Mundial, o GP da Espanha. 

Felipe Massa teve um ritmo consistente ao longo de toda a sessão e fez uma boa volta no fim da tomada de tempos, pulando para terceiro, indicando que a briga do fim de semana tem tudo para ser entre Mercedes e Ferrari. Mas aí, restando poucos segundos para a bandeira quadriculada, Romain Grosjean tomou a posição do brasileiro e subiu para terceiro, deixando Felipe na quarta colocação.

Grosjean foi bem melhor que o companheiro de Lotus, Kimi Räikkönen. O finlandês, que, a exemplo do ano passado, homenageou o lendário James Hunt em seu capacete, terminou a sessão apenas em 11º. Voltando às primeiras colocações, Lewis Hamilton foi o quinto e concluiu a sessão 0s274 atrás de Rosberg. A surpresa do treino ficou com o sexto lugar de Pastor Maldonado, piloto que costuma se dar bem em Monte Carlo.

Pelo menos neste primeiro treino, a Red Bull foi muito discreta e terminou em sétimo com Mark Webber e apenas na décima colocação com Sebastian Vettel, que terminou atrás das McLaren de Button e Pérez, oitavo e nono, respectivamente.
 
Saiba como foi o primeiro treino livre do GP de Mônaco de F1

Debaixo de um céu azul e diante de uma paisagem paradisíaca às margens do Mediterrâneo, o fim de semana do GP de Mônaco começou com todos os carros saindo para a pista para a execução das primeiras voltas de instalação e reconhecimento do circuito de Monte Carlo. Durante toda a sessão, os pilotos fizeram uso dos pneus macios, deixando os supermacios para a sequência das atividades desta quinta-feira.

Entretanto, logo após os primeiros minutos de sessão, Monte Carlo ficou em silêncio, com todos os carros dentro dos boxes e pilotos conversando com seus respectivos chefes de equipe e engenheiros. Assim, a quinta-feira começava sonolenta e com pouca ação, como costuma ser no primeiro treino livre de cada etapa da temporada.

O silêncio finalmente foi quebrado após 33 minutos de sessão. Gutiérrez, que conquistou seu melhor resultado na F1 em Barcelona, há duas semanas, foi o primeiro a voltar para a pista, seguido depois por seus oponentes. O primeiro tempo do fim de semana, estabelecido pelo mexicano, foi de 1min29s919. Marca que, obviamente, seria facilmente superada em seguida.

Não demorou muito para que os pilotos de ponta fossem à pista. E logo de cara, Massa registrou a volta mais rápida naquele momento, anotando 1min18s818 em seu primeiro giro rápido. Em seguida, o brasileiro baixou seu tempo e cravou 1min17s685, sendo o mais rápido na pista. Ajudou o fato de Felipe ter pouco tráfego — eterno problema de Mônaco — pela frente, diferente, por exemplo, de Fernando Alonso.

Em seguida, o bicampeão do mundo reduziu o ritmo para conseguir fazer uma volta com pista limpa. Deu certo. O espanhol registrou 1min16s842 e subiu para a liderança, seguido por Nico Rosberg e sua rapidíssima Mercedes em ritmo de treino. O W04 se mostrou bastante consistente no seu primeiro stint em Monte Carlo. Tanto que Nico cravou 1min16s195 com sobras, colocando a Flecha de Prata na liderança da sessão.

Restando 38 minutos para o fim da sessão, o treino tinha Rosberg, Alonso, Massa e Hamilton nas quatro primeiras posições. A melhor Red Bull na pista era a de Sebastian Vettel, o sexto colocado, mas 1s663 atrás do tempo de Rosberg. Nesse tempo, Massa protagonizou um pequeno incidente com Max Chilton, da Marussia. O brasileiro vinha em volta de recolhimento aos boxes e tinha ritmo mais lento que o britânico. Felipe virou à direita para entrar no pit-lane e, por muito pouco, não foi acertado por Chilton, que reclamou da manobra do ferrarista.

A surpresa do treino era a presença de Pastor Maldonado entre os primeiros. O venezuelano, que até agora não conseguiu acertar uma boa corrida e não somou pontos nas cinco primeiras provas do ano pela Williams, chegou a ocupar a quarta colocação do primeiro treino, comprovando o bom rendimento em Monte Carlo. 

Romain Grosjean, por sua vez, enfrentava problemas de aderência na execução de suas voltas rápidas. Mas quando conseguiu fazer uma volta limpa e livre de erros, o franco-suíço subiu para terceiro, sendo apenas 0s242 mais lento que Rosberg. Kimi Räikkönen vinha em 12º, 1s889 atrás do líder da tabela de tempos quando faltavam 29 minutos para o fim da sessão matinal no Principado.

Como é usual no primeiro treino livre do fim de semana de cada GP, muitos pilotos aproveitaram os minutos finais para a execução de voltas em ritmo de corrida, com o tanque mais cheio. Massa, entretanto, acelerou forte e conseguiu melhorar significativamente sua marca, pulando de sétimo para terceiro, ficando só atrás de Alonso e Rosberg. Entretanto, no fim da tomada de tempos, Grosjean foi ainda melhor e superou o brasileiro. Mas ninguém conseguiu bater a Flecha de Prata de Rosberg, que colocou a Mercedes na liderança pela manhã. 

F1, GP de Mônaco, Monte Carlo, treino livre 1:
 
 
 

17 de mai de 2013

Nico Rosberg and Romain Grosjean for Montreal FOTA Fans' Forum

Nico Rosberg and Romain Grosjean are just two of the star guests who have been confirmed for the next FOTA Fans' Forum that takes place in Montreal ahead of the Canadian Grand Prix.
The Mercedes and Lotus drivers will be joined by rivals Charles Pic (Caterham), Jules Bianchi (Marussia) and Paul di Resta (Force India) to answer questions from fans about the state of F1.
There will also be a team panel to discuss the sport. It will feature Eric Boullier from Lotus, Cyril Abiteboul from Caterham, Graeme Lowdon from Marussia and Remi Taffin from Renault.
The event is to take place in downtown Montreal on June 5, with an autograph session beforehand.
Registration for the event, which will be free to those lucky enough to get tickets, can be found at www.fota.co/events

Fonte:Autosport

16 de mai de 2013

Rosberg aposta em bom retrospecto em Mônaco para se recuperar após mau desempenho em Barcelona

O piloto disse que o segundo lugar obtido no ano passado é a prova de que a Mercedes tem condições de brigar por um bom resultado na próxima etapa da F1, em Mônaco. Lewis Hamilton também se mostrou confiante

O mau desempenho da Mercedes no GP da Espanha, disputado no último fim de semana, parece ter ficado para trás. Já pensando na próxima etapa da temporada 2013 da F1, em Mônaco, Nico Rosberg afirmou que espera repetir o desempenho do ano passado, quando largou e terminou na segunda posição.

“Eu sempre fico ansioso por Mônaco. Eu realmente gosto da pista e sempre vou bem lá”, disse o piloto em entrevista ao site do canal americano ‘Speed’. “Ano passado eu finalmente conquistei um bom resultado depois de anos chegando perto. E a Mercedes realmente fez um grande trabalho. Nós tínhamos o melhor carro no ano passado, então não há razão para não irmos bem novamente”, declarou.


Apesar disso, o pole-position das duas últimas corridas reconheceu que não dá para prever um resultado, já que algumas equipes podem desenvolver o carro pensando apenas no bom desempenho no Principado. “É um lugar único e especial em que é preciso chegar com expectativas não muito altas porque não se sabe o que as outras equipes planejaram para essa pista específica”, completou.

Mesmo estreando na Mercedes, Lewis Hamilton, por sua vez, disse que pode ficar otimista, pois a escuderia alemã já mostrou que tem um bom equipamento para Mônaco, com Michael Schumacher marcando o melhor tempo do treino classificatório do ano passado.

“Eu passei em casa, em Mônaco, esses dias, e eles já deixaram a pista quase toda pronta. Eu estava andando por lá, pensando na pole de Michael, então isso deve ser um bom sinal. Por isso estou ansioso para repeti-lo”, encerrou.

No GP da Espanha, a Mercedes largou com os dois carros na primeira fila do grid e sofreu com o desgaste dos pneus em toda a corrida. Com isso, Rosberg foi o sexto, enquanto Hamilton sequer pontuou. Como a pista de Mônaco exige menos dos compostos, a expectativa é que os carros prateados tenham um melhor desempenho.


Fonte: Grande Prêmio  

14 de abr de 2013

Rosberg aceita quarto lugar no grid em Xangai e defende estratégia de pneus adotada pela Mercedes

Confiante no bom ritmo de corrida exibido pela Mercedes tanto em Sepang quanto nos treinos livres em Xangai, Nico Rosberg minimizou a conquista do quarto lugar do grid de largada do GP da China. Pole-position e vencedor da prova no ano passado, o piloto da Mercedes foi superado pelo seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, e também por Kimi Räikkönen e Fernando Alonso. Ainda assim, Nico demonstrou fé no W04 e acredita que ganhará posições ao longo da prova, ainda que tenha evitado falar sobre vitória.

Rosberg aceitou a quarta posição do grid, mas deu a entender que sua colocação poderia ter sido um pouco melhor, já que o piloto assumiu ter cometido um erro no último setor de sua última volta rápida em Xangai. 

“Foi uma volta boa até a última curva, onde infelizmente errei um pouco. Foi só quando você acha que a volta é boa e nada pode ter dado errado. Mas não entendi ao certo. Mas o quarto lugar está ok”, disse Nico durante entrevista coletiva concedida logo após a sessão classificatória.
 
Sua prioridade está mesmo é na prova deste domingo. “Ao longo de todo o fim de semana, estive pensando muito a respeito da corrida como um todo e o acerto, porque será mais quente amanhã e será possível alcançar alguns pilotos. É uma boa posição. Tenho certeza que posso avançar largando em quarto. Até onde? Isso eu não sei”, despistou.

Questionado se a falha hidráulica acabou atrapalhando seu desempenho na classificação, Rosberg respondeu de maneira afirmativa. “Claro que isso me afetou um pouco, já que isso não me permitiu testar [acerto de] classificação pela manhã, e às vezes você precisa pensar sobre isso e melhorar seus ajustes. Estava correndo um pouco atrás na classificação, mas correu tudo bem. Estava progredindo bastante”, lastimou o alemão.

Por fim, o piloto reiterou sua confiança na estratégia de pneus adotada pela Mercedes para o GP da China. Rosberg vai largar com os pneus macios usados no Q3, diferente, por exemplo, de Sebastian Vettel e Jenson Button, que vão iniciar a prova com os compostos médios, que mal foram usados no último segmento da classificação.

Na visão de Nico, a decisão tomada pela Mercedes foi a mais correta levando em conta o ritmo do W04 para a corrida. “Acho que foi a escolha certa, sobretudo por conta do ritmo que temos do carro. Partindo com os macios, isso vai nos dar a chance de estar no topo do grid, e essa deve ser a melhor estratégia para amanhã. Acho que tenho o carro bem preparado para a corrida”, concluiu.
 
 
Fonte: Grande Prêmio
 

15 de mar de 2013

3º na Austrália, Rosberg fala em dia interessante e garante que problema com câmbio não vai atrapalhar


Nico Rosberg anotou o terceiro melhor nesta sexta-feira (15), no primeiro dia de treinos livres para o GP da Austrália. O piloto da Mercedes anotou 1min26s322 em seu melhor giro no circuito de Albert Park e ficou a 0s404 de Sebastian Vettel, que não teve dificuldades para dominar a atividade.

Nas primeiras baterias de treinos livres da temporada, Rosberg confirmou a boa performance apresentada pelo time ao longo da pré-temporada e, mesmo tendo sofrido um problema mecânico no final do segundo treino livre, fez uma avaliação positiva deste início de trabalhos.



“Foi um dia interessante para nós”, opinou. “Tem muitas coisas novas para aprender com o carro e fizemos um bom progresso ao longo do dia. Podemos, certamente, ficar felizes com o nosso programa de testes quando você compara com de onde viemos no ano passado”, defendeu. 
 
“O meu carro teve um problema com o câmbio no fim do segundo treino, mas essas coisas acontecem e não nos afetam para amanhã”, assegurou. 

Fonte: Grande Prêmio

*****

Beijinhos,
Ana

Terceiro!


Conhecido por diversificar nas pinturas de seus capacetes, Sebastian Vettel inicia 2013 homenageando o paraquedista austríaco Felix Baumgartner, famoso por ter saltado da estratosfera (confira detalhes da pintura no Blog Voando Baixo). Inspirado pelo feito extraordinário, o piloto da RBR mostra também partir de outro patamar. Soberano nos últimos três anos na Fórmula 1, Vettel dominou o primeiro dia de treinos livres para o GP da Austrália, em Melbourne. Mais veloz na atividade de abertura, o jovem alemão trocou os pneus médios pelos supermacios, assim como os demais pilotos, para melhorar ainda mais seu tempo na segunda sessão, fechando a sexta-feira com 1m25s908, o único a baixar da casa de 1m26s. Em segundo aparece seu companheiro de equipe, Mark Webber, confirmando a teoria de Felipe Massa de que a RBR estaria escondendo o jogo na pré-temporada.

E por falar no brasileiro, segundo colocado na manhã australiana, o piloto da Ferrari optou por testar configurações de corrida na parte da tarde e acabou ficando apenas em oitavo. Com 1m26s855, Massa levou o troco de Fernando Alonso, a quem havia superado anteriormente, fechando o dia duas posições atrás do espanhol, que anotou 1m26s748 .

Destaque no primeiro treino livre, a dupla da Mercedes sofreu com defeitos no carro. Nos minutos finais da sessão, Lewis Hamilton passou reto na curva 6 e terminou na brita. Segundo o time alemão, a escapada foi devido a um problema no assoalho. O capacete amarelo semelhante ao do companheiro Nico Rosberg, o que tem gerado muitas reclamações, fez até a transmissão oficial da FIA se confundir. Pouco tempo depois foi a vez de o alemão ter problemas no câmbio e abandonar a atividade. Mesmo assim, Nico fechou o dia em terceiro, quatro posições à frente do britânico.


Mas o problema com a Mercedes não deve ser motivo de arrependimento para Hamilton. Sua ex-equipe, a McLaren, foi a grande decepção do dia. Jenson Button e Sergio Pérez tiveram muita dificuldade para acompanhar os carros mais velozes e terminaram no pelotão intermediário. O inglês em 11º e o mexicano, em 13º. Quem mostrou bom desempenho foi a Lotus. Kimi Raikkonen fechou a sexta-feira em quarto, seguido pelo francês Romain Grosjean.
Entre os times médios (Force India, STR, Williams e Sauber), Adrian Sutil mostrou não estar enferrujado após o ano sabático e foi novamente o destaque, colocando o carro do time indiano em nono. Já na disputa particular entre as equipes menores Marussia e Caterham, o melhor foi Jules Bianchi. O francês, que substituiu o brasileiro Luiz Razia de última hora, superou os outros três pilotos com grande facilidade nas duas atividades do dia.
Confira os melhores tempos do segundo treino livre para o GP da Austrália
1 - Sebastian Vettel (ALE/RBR-Renault) - 1m25s908  (33 voltas)

2 - Mark Webber (AUS/RBR-Renault) - 1m26s172  - a  0s264  (31)
3 - Nico Rosberg  (ALE/Mercedes) - 1m26s322  - a  0s414  (26)
4 - Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault)  - 1m26s361  - a  0s453  (37)
5 - Romain Grosjean  (FRA/Lotus-Renault) - 1m26s680  - a  0s772  (30)
6 - Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - 1m26s748  - a  0s840  (35)
7 - Lewis Hamilton (ING/Mercedes) - 1m26s772  - a  0s864  (28)
8 - Felipe Massa (BRA/Ferrari) - 1m26s855  - a  0s947  (32)
9 - Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) -1m27s435  - a  1s527  (34)
10 - Nico Hulkenberg (ALE/Sauber-Ferrari) - 1m28s187  - a  2s279  (34)
11 - Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) - 1m28s294  - a  2s386  (30)
12 - Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) -1m28s311  - a  2s403  (37)
13 - Sergio Pérez (MEX/McLaren-Mercedes) - 1m28s566  - a  2s658  (32)
14 - Daniel Ricciardo (AUS/STR-Ferrari) - 1m28s627  - a  2s719  (31)
15 - Esteban Gutierrez (MEX/Sauber-Ferrari) - 1m28s772  - a  2s864  (33)
16 - Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) - 1m28s852  - a  2s944  (36)
17 - Jean-Eric Vergne (FRA/STR-Ferrari) - 1m28s968  - a  3s060  (35)
18 - Valtteri Bottas (FIN/Williams-Renault) - 1m29s386  - a  3s478  (38)
19 - Jules Bianchi (FRA/Marussia-Cosworth) - 1m29s696  - a  3s788  (30)
20 - Charles Pic (FRA/Caterham-Renault) - 1m30s165  - a  4s257  (37)
21 - Max Chilton (ING/Marussia-Cosworth) - 1m30s600  - a  4s692  (34)
22 - Giedo van der Garde  (HOL/Caterham-Renault) - 1m32s450  - a  6s542  (11)

Os pilotos voltam à pista na madrugada de sexta-feira para sábado, à meia-noite (horário de Brasília), para o terceiro treino livre, que contará com exibição do SporTV. O GP da Austrália está marcado para as 3h de domingo e será transmitido ao vivo pela TV Globo e em Tempo Real com vídeos pelo GLOBOESPORTE.COM. O treino classificatório também será exibido ao vivo, no sábado às 3h.
Anote os horários das próximas atividades do GP da Austrália:
3º treino livre - Sábado (16/03) – 0h (SporTV)

Treino classificatório – Sábado (16/03) – 3h (TV Globo)
GP da Austrália – Domingo - 3h (TV Globo)


Fonte: Globo.com

*****
Beijinhos,
Ana

 
back to top